…como não podia deixar de ser, a quem me garantiu algumas horas de intensa e igualmente estranha televisão, ainda a preto e branco.

[hana-flv-player video=”https://browserd.com/helpers/bradbury.flv” width=”575″ height=”321″ description=”Fuck me, Ray Bradbury” player=”5″ autoload=”true” autoplay=”false” loop=”false” autorewind=”true” splashimage=”https://browserd.com/helpers/fuckmebradbury.jpg” /]

Fuck me, Ray Bradbury por Rachel Bloom.

p.s. E pensar que ainda esta semana, numa aula de Cultura Norte-Americana Contemporânea da FCSH em que apresentei o meu trabalho sobre Star Trek, acabámos a falar coma Prof. Teresa Botelho sobre Ray Bradbury e o seu fantástico Fahrenheit 451… Quem diria…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*