Y_Tu_Mama_Tambien-Lust_for_Life“E a tua mãe também” (Y tu mamá tambíen) é uma comédia. Não deixa de o ser. Mas é naquele sentido em que a vida pode ser uma verdadeira palhaçada e como tal, ter os seus altos e baixos, os bons e os maus momentos. É também um filme de aventura pois outro nome não podia ter (talvez loucura) a jornada que Tenoch e Julio tomam pela frente quando Luisa (prima de Tenoch) aceita ir com eles até à praia. O facto de Luisa ser casada não importa. Assim como também não importa o facto de que ambos já se masturbaram a pensar nela. As namoradas estão em viagem (e quando voltarem, não voltam para eles). Porque não ir em viagem também. Ao fim e ao cabo, elas certamente estarão a fornicar com um italiano qualquer. Ou dois. Ou muitos…
E depois há a estrada. O raio q’a parta da estrada que nunca mais acaba, onde se cruzam com as operações stop dos militares como se de mais um sinal de transito se tratassem. E fuma-se. Fuma-se muito. Há pensões de beira de estrada e sexo rápido. Há poeira no ar quando se chegam à berma. E a praia. Aquela que nem eles (que para lá se dirigiam) acreditavam existir. Mas existe. Uma maldita voz (ainda bem que lá está) que nos vai dizendo, desde o primeiro momento, o que foi, o que é e o que vai ser daquela gente… O tempo para quando se ouve mesmo sem nada parar. A estrada mostra-nos o México. Os que lá vivem, os que vivem bem e os outros. Os quase todos…

No meio disto tudo, há amor. É preciso descobrir onde. Mas ele está lá.

p.s. A comprar o DVD assim que possivel.

4 thoughts on “E a tua mãe também (Y a tu mamá tambíen)

  1. A vida tem destas coisas, estamos sempre a descobrir! O caminho percorrido pelos dois rapazes, e do seu desejo chamado Luísa, é uma autêntica descoberta: dos seus medos,desejos, mas sobretudo do romper daquela inocência que se sente em cada piada, em cada dicussão e nesses diálgos abslutamente descompassados. É um amor real, expresso na realidade do México.
    Talvez todos nós desejamos alcançar a Foz do Paraíso, sentir a viagem e voltar a ser uma vez mais…inocentes!

  2. Ooooohhhh…. Quase não me recordava desta entrada. Obrigado Hugo. Infelizmente o retorno à inocência, só nos filmes…Ficam-se os desejos certo? Viva o cinema.

  3. O retorno à inocência não é de todo impossível na vida real. Aliás ele é de todo sustentado nela. Por mais que aprendamos o contrário, acredito que aperciar o sol, dar uma boa gargalhada, ter um bom serão entre amigos, tudo isso poder se á afirmar como a INOCÊNCIA no seu melhor! Viva o cinema sim senhor! ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

*