“You’re the best audience in Europe so far!”. Dolores O’Riordan sabe bem o amor que o publico português lhe tem e sabe também, como nutrir esse mesmo amor. Ainda bem.

Que outra forma há de o dizer? Os The Cranberries voltaram a Portugal e antes de partirem prometeram voltar. E em breve. Porque não? O Campo Pequeno estava completamente lotado. Os anos 90 voltavam à ribalta mas ali, a encantar dos 8 aos 80 (ou pelo menos aos 60 a considerar o casal que se encontrava ao nosso lado na bancada).

Da calmaria sonhadora e quase inocente de “Ode to my family” ao som poderoso de “Salvation”, passando por “Analyse” e “Linger”, levando a audiência ao estado que só as grandes bandas levam (que diabos, da Irlanda, mais famosos só os U2) com a mensagem de “Zombie”, toda a banda contribuiu para este grande espectáculo. Dolores porém, aos 38 anos, corpo franzino de teenager rebelde, é uma criatura de palco, que se diverte como poucos em cima do palco e dá o mote para que todos os músicos vibrem com cada nota. Ela salta, pula, dança, desengonça-se por completo…

Acredito seriamente na admiração expressada, pelo quão próximo, quão intimo, o publico português é da banda. Dolores, que passa hora e meia junto a quem pula frente ao palco, não precisa pedir que cantem por ela. O publico quer cantar. Não há refrão em que assim não seja. Das mais conhecidas até aos leves toques à sua carreira a solo (ainda que aqui, nitidamente, menos popular).

Diz a Susana que, Dolores O’Riordan, ela sim, é como o Vinho do Porto, está a refinar com a idade. Estes anos que se passaram agora (terão estado a decantar?), só lhes fizeram bem.

Uma ultima nota para a banda de abertura. Os Outside Royalty, tiveram a boa postura de uma banda de futuro. A postura e o som que me deixou com vontade de os conhecer melhor. Ouça-se a versão de “Eleanor Rigby” que eles tocam e logo se percebe porquê.

Resumindo, uma grande noite.

One thought on “The Cranberries. Campo Pequeno. Lisboa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

*