Quando se fala em ficção cientifica estremecem os mundos. O dos críticos e o dos outros… Valham-nos os Deuses que lá estão eles outra vez com as naves espaciais e os homenzinhos verdes… Os mundos estremecem. Ambos pelas mesmas razões… Não perceberão ele, os que se deixam estremecer, que só por isso são eles parte de uma fantástica produção ao nível do que melhor se faz no meio?

Adiante…

Source Code The Movie
Source Code ou O Código Base como foi chamado por cá, é mais um daqueles filmes de que não se ouve falar. Não faz capa de revista, não tem direito a especial no jornal da noite e nem tão pouco a apontamento de rodapé… Boa ficção cientifica pois então.

Jake Gyllenhaal, Vera Farmiga, Michelle Monaghan parecem ser uma equipa de futuro mas como aqui é o próprio conceito de futuro (ou será passado?) que está em causa, é verdadeiramente recomendável ir ver o filme.

Sem mais delongas e de forma a não estragar a boa surpresa a quem vai ver o filme, Source Code é efetivamente boa ficção cientifica. É também um thriller dos bons o que podia ajudar a divulgar a obra. Talvez daqui a uns anos se descubra comercialmente a joia que é este filme que, na minha humilde opinião, se poderia tornar mais um daqueles filmes a juntar à lista “culto”.

6 thoughts on “Source Code: Ficção Cientifica da boa

  1. Acabaste de me deixar interessado no filme depois de o ter (erradamente pelos vistos) ignorado como mais um filme pipoca.

  2. Vi-o há duas semanas e fiquei com a mesma ideia. Por aqui acho que teve alguma exposição (pelo menos publicidade há bastante), talvez mais pelo facto do Duncan Jones ser britânico. Noutros países que não Estados Unidos ou aqui, acredito que tenha um pouco o mesmo destino do Moon.

  3. Spoilers!!!
    Pedro,
    Vi ontem o filme…mas ou menos sugestionado por ti. Mas sinceramente…não me parece que venha a ser um filme de culto . Para inicio de conversa, cheira-me a demasiados Tweeks na montagem final, que leva a algumas incongruencias..Exemplo: Como é que ele sabia o email da Capitão Goodwin, para lhe enviar a msg no fim…
    Parece-me mais uma versão ( diferente sem duvida) do mesmo argumento que serve de base a Matrix, Dark City, e afins…uns melhores outros piores. Não gostei do fim à Disney, lá ficou com a gaja….Realidade Paralela ou Realidade Virtual? Faria mais sentido uma realidade virtual, mas depois de o desligarem, ja dá a entender uma realidade paralela…mas não faz sentido. PElo que percebi eles transformam a energia electromagnetica residual do cerebro em código, as memorias dos ultimos 8m no cerebro do soldado…mas depois ele consegue agir por ele, faria mais sentido observar as accoes do outro…ou simplesmente lembrar.se desses 8m. Sinceramente, ou percebi mal ( o que tem alguma probabilidade) ou o filme simplesmente não faz muito sentido.

  4. Ora bem, pois… Talvez de culto seja exagerado mas… Ó diacho, então em filmes de sci-fi não podem existir finais à Disney? Olha agora… Então temos que obrigatoriamente perpetuar o estereotipo do geek?
    Deixa lá isso…
    Quanto ao e-mail… Bem, imagina que, enquanto colaborador de uma entidade para a qual já trabalhaste, tinhas permissão para aceder ao seu sistema a partir de equipamentos fora da rede (no fiction as you know it). Como bem sabes, nesses casos, o nome no campo do subject é o suficiente para resolver em endereço de e-mail…
    Ok. Estou a dar uma de advogado do diabo… Eu e o Morris West…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*