Esperei até às 16 e 30 e não fui contactado pelo Barclays Bank. Sabendo por inerência da profissão que alguns colegas cumprem horários estritamente, resolvi telefonar novamente à Provedoria do Cliente do Barclays Bank.

O senhor que se segue: Provedoria (do Barclays Bank) boa-tarde.

Desta vez fui atendido por um sr. Nuno Batista. Pedi para falar com a sra. Cláudia Pirão, a responsável (?) deste processo. A sra. Claudia Pirão não está disponível. Perguntei pela sra. Catarina Welsh que ao que me parece será a pessoa hierarquicamente acima. Também não se encontra disponível, aliás, nunca esteve.

Tendo em consideração o que me tinha sido dito de manhã pela sra. Paula Evangelista, que ligar às duas da tarde seria muito cedo e que devia esperar até por volta das cinco ou seis, perguntei até que horas poderia ligar para a Provedoria. A resposta? Não podia ser outra. Diz-me o sr. Nuno Batista que os serviços encerram a partir das 16 e 30. Será que trabalham todos no mesmo sitio?

Pergunto até que horas devo esperar por um contacto da sra. Claudia Pirão e a resposta é igualmente óbvia tendo em consideração o serviço que me tem sido prestado: hoje já vai ser complicado.

O sr. Nuno Batista é claro em fazer-me entender que não deseja continuar a conversa. Ele não tem mais nada para me dizer. Vai transmitir à sra. Claudia Pirão a minha mensagem. Exactamente como todos os outros colegas, com todas as outras minhas mensagens.

Mais uma vez, claramente, o Barclays Bank falta ao compromisso assumido com o Cliente. Sim, compromisso. Não estamos aqui a falar de uma conversa de amigos. É uma relação comercial. Deu problemas é certo mas, não deixa de se tratar de uma relação comercial e nestas cumprem-se compromissos. Eu, como profissional, é o que faço. O Barclays não.

Há quem prime pela simpatia e boa educação.

Voltei a contactar o Barclays Bank por volta das 17 e 30. Desta vez fui atendido pelo sr. João Prazeres. Pela primeira vez ouvi um pedido de desculpas pelo nível de serviço do Barclays Bank Portugal. Infelizmente, este pedido de desculpas não me dá sequer um ponto de situação. Tudo o que este senhor me disse é muito correcto: O Barclays Bank tem que resolver a situação, tem que me dar respostas, é a Provedoria que tem essa responsabilidade enquanto dependendo directamente da Comissão Executiva. Pois tem, mas não o fez até agora.

Ao que cada vez mais me parece, tudo está na mão de uma funcionária (é o que me fazem crer uma vez que ninguém exceptuando a sra. Claudia Pirão me pode dar informações sobre o assunto, ainda que esta também não as dê) e ela só fala com os Clientes quando quer. No meu caso, não quer.

Sim, já estou a dar nomes aos intervenientes da situação. Não incorro em nenhuma ilegalidade e acho que já é hora de personalizar um pouco as coisas. X e Y não são mais do que dados estatísticos da incompetência, má educação e total falta de respeito pelos Clientes. Os nomes dão cara às situações. Se alguém tiver algo contra que o diga.

O meu é Pedro Rebelo e este artigo é só mais uma achega a uma reclamação do Barclays Bank que já vai mais longa do que alguma vez pensei e que me está a mostrar o quão podre pode estar por dentro a fruta que por fora tanto brilha.

Interrogo-me, tal como fez certamente o Miguel Albano Filipe Marques quando escreveu o seu artigo “A reputação também está no pormenor“, se o Barclays já terá pensado durante quanto tempo as pessoas irão aceder a estes artigos sobre a minha reclamação sempre que pesquisarem no Google.com por Barclays Bank Portugal ou no Google.pt por reclamação barclays portugal

São cerca de 300 anos de história… Talvez se eu começar a espalhar a versão inglesa da reclamação garanta 300 anos de durabilidade…

7 thoughts on “Mais uma vez, o Barclays falta ao compromisso.

  1. Escrevi e apaguei vários comentários sem os submeter, na tentativa de refrear os ânimos e evitar enviar algo mais ofensivo. Desisto, não consigo escrever nada de politicamente correcto, resta-me desejar-lhe que consiga resolver o seu problema e esperar que alguém no Reino Unido esteja ainda a prestar atenção e avalie a forma com esta sra. e as suas chefias (não) lidaram com este assunto.

  2. quando li o livro icon, reparei que uma das formas do steve jobs conseguir as coisas era sendo um chato da putassa (desculpa a palavra), fazia coisas do genero ligar a todos os dias a todas as horas até ter o seu problema resolvido, ia até às instituições e não saia de lá enquanto n falava com a pessoa responsável.

    Acho que neste caso tens de fazer o mesmo. A Sra Claudia Pirão, n quer falar contigo nada como ires lá pessoalmente e pedir para falar com a senhora ou com alguém superior.

  3. Faça barulho, escreva em inglês (a blogosfera portuguesa de certeza que fará tantos links que até no google em inglês aparecerá nos primeiros), vá à TV, e conte com todo o apoio de todos os seus leitores!

  4. Veremos quem se vai rir no fim.

    Da minha parte vou continuar a torcer pelo Pedro e a fazer o que tenho feito.

    Já poucas pessoas que conheço não ouviram ainda esta vergonhosa saga.

    Barclays, não obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*